Defenda a sua casa dos    incêndios
   
   Mais informações


   Bolsa de Prédios    Rústicos
   
              (brevemente)


   Aceda aqui directamente
   à sua ZIF


   
   
   
   
   

Bullet3 CAULE ajuda à plantação de carvalhos e sobreiros no “Dia Mundial da Bolota”
 
     Bullet1 mais...
Bullet3 Grupo de investigadores internacionais visitou povoamentos de pinheiro bravo infectados pela doença da murchidão no concelho de Tábua
  
     Bullet1 mais...
Bullet3 Dois dos maiores especialistas em fogo estiveram durante quatro dias em Oliveira do Hospital a convite da Associação Florestal da Beira Serra

Sapadores florestais da CAULE recebem formação sobre “primeira intervenção em incêndios”

     Bullet1 mais...
Bullet3 CAULE convidada pelo Grupo Parlamentar do PS a apresentar propostas para melhorar Estratégia Nacional para as Florestas

Vasco Campos defende agravamento da carga fiscal para quem não faça gestão das terras

     Bullet1 mais...
Bullet3 AVISO - Plantações Florestais
 
     Bullet1 mais...
Bullet3 Escola Secundária de Arganil convida CAULE a dar aula sobre prevenção de incêndios florestais

Técnicos da CAULE – Associação Florestal da Beira Serra realizaram, na passada quarta feira, dia 30, a convite da Escola Secundária de Arganil, uma conferência sobre a problemática dos incêndios florestais, mais concretamente sobre o trabalho que esta associação tem vindo a desenvolver em toda a Beira Serra e concelhos limítrofes no âmbito da prevenção e defesa da floresta contra incêndios. Dirigida a um público iminentemente escolar – estiveram presente cerca de 50 pessoas, na sua maioria alunos do 10º, 11º e 12º anos do curso de Técnico de Turismo Ambiental e Rural - esta acção, teve como objectivo sensibilizar os presentes para as consequências de um flagelo que todos os anos atinge o país, e em particular as zonas rurais, com consequências gravosas para o ambiente e para as próprias populações.Dinamizada pela engenheira florestal da CAULE , Sofia Pinto, esta conferência surgiu através de um convite de uma aluna (Ana Catarina Gama) do referido curso de Técnico de Turismo Ambiental , que escolheu precisamente a temática da “floresta e o artesanato” no âmbito da sua Prova de Aptidão Profissional.

Publicado a 5 de maio de 2014

Bullet3 CAULE promoveu AÇÕES DE SENSIBILIZAÇÃO no âmbito do Dia Mundial da Floresta

A CAULE – Associação Florestal da Beira Serra, juntou-se, uma vez mais, às comemorações do Dia Mundial da Árvore, em Oliveira do Hospital e Santa Comba Dão.

A engenheira florestal, Sofia Pinto, acompanhada por uma equipa de Sapadores Florestais deslocaram-se aos três Centros Educativos do concelho de Santa Comba Dão para promover ações de educação ambiental, de forma a sensibilizar os mais jovens para a importância da preservação da floresta, chamando ainda a atenção para o papel e funções desempenhadas pelas equipas de Sapadores Florestais.

Durante o dia 21 de Março, realizaram-se ações nos Centros Educativos do Norte, Centro e Sul de Santa Comba Dão, contando com a participação de alunos do jardim- de- infância e 1º ciclo.

A técnica da CAULE partilhou com as crianças alguns conhecimentos sobre árvores e floresta, enquanto a equipa de sapadores efectuou uma demonstração das regras de segurança e os equipamentos utilizados nas intervenções florestais de silvicultura preventiva, vigilância e 1.ª intervenção em incêndios florestais.

No final, as crianças com as mãos colocadas sobre o peito, em sinal de respeito, comprometeram-se a amar e a proteger a floresta, plantando, de seguida, algumas espécies autóctones, com destaque para os carvalhos, pinheiros-mansos e medronheiros.

A CAULE considera gratificante observar que crianças de tão tenra idade, com idades compreendidas entre os 3 e os 10 anos, já demonstram uma profunda consciência ambiental e de proteção da floresta como património que é de todos. Resta-nos confiar que estes jovens façam chegar este seu entusiasmo pela floresta ao seu núcleo familiar.

Simultaneamente, a CAULE desenvolveu também acções de sensibilização no concelho de Oliveira do Hospital, com a presença da bióloga Raquel Alves, a engenheira do ambiente Joana Carvalho, e uma equipa de sapadores florestais que promoveram uma espécie de aula ao ar livre dirigida aos meninos do pré-Bullet1escolar e 1º ciclo de Oliveira do Hospital, alertando-os para a importância da árvore e da protecção da floresta, sobretudo a autóctone da nossa região.

Publicado a 23 de abril de 2014

Bullet1

Bullet3 Franceses visitaram trabalho que está a ser executado pela CAULE - Associação Florestal da Beira Serra no âmbito do controlo e erradicação da doença do nemátodo do pinheiro
 
     Bullet1 mais...
Bullet3 AVISO - ZIF Seia Alva

Projecto no âmbito da Acção 2.3.1 “Minimização de Riscos”, Sub-Acção 2.3.1.1 “Defesa da Floresta contra Incêndios” do ProDeR 2014

     Bullet1 mais...
Bullet3 CAULE ouvida na Assembleia da República como uma das entidades mais

CAULE - AsBullet1sociação Florestal da Beira Serra, foi umas das organizações escolhidas pelo grupo de trabalho da Assembleia da República que está a analisar a problemática dos incêndios florestais, para dar o seu contributo relativamente a um conjunto de medidas que estão a ser estudadas no sentido de minimizar aquele que é considerado um dos maiores flagelos do país na época de calor. A presidir a este grupo de trabalho encontra-se o deputado do PSD, Guilherme Silva, que justificou a audição desta associação florestal por ser uma das entidades que tem mais "experiência” e “conhecimento do terreno", na sua área de influência. "Não podendo ouvir toda a gente identificámos a vossa organização entre aquelas que podiam dar um contributo importante para esta discussão", afirmou o deputado, no arranque dos trabalhos. Questionado pelos diferentes grupos parlamentares sobre algumas das mais recentes alterações legislativas neste sector, como o projecto lei de florestação e reflorestação ou o anúncio da possível aplicação da "multa na hora" para os proprietários que não limpem os seus terrenos, o presidente da CAULE, José Vasco Campos, identificou, desde logo, como uma das principais causas para o aumento do número de ocorrências e área ardida, a desertificação do interior do país. "Se não conseguirem parar o êxodo rural não conseguimos parar o problema dos incêndios", afirmou o engenheiro florestal, pedindo medidas de apoio à fixação nos meios rurais. Respondendo às dúvidas dos deputados sobre a nova lei de reflorestação que na prática permite aos proprietários plantar eucaliptos em áreas inferiores a cinco hectares sem terem de dar conhecendo ou pedir autorização ao ICNF, Vasco Campos foi claro ao responder que " o problema da floresta portuguesa não tem a ver com as plantações, mas sim com a sua gestão". Presidente de uma associação florestal responsável pela gestão de 12 Zonas de Intervenção Florestal (ZIF) na região Centro, Vasco Campos, disse, todavia, estar expectante relativamente às novas plantações, nomeadamente a sua articulação com os planos de gestão florestal das ZIF. Já o recente anúncio da Ministra da Agricultura, sobre a eventual aplicação de coimas pela GNR aos proprietários que não cumpram com a legislação em matéria de limpeza de terrenos, mereceu a opinião favorável do presidente da CAULE que, antes de "saber se é com esta medida que se vai resolver o problema", entende que algo tem de ser feito para acabar com o " laxismo gritante" de muitos proprietários que não cumprem com a limpeza dos 50 metros à volta das habitações, e dos 100 metros, no caso dos aglomerados urbanos. " Não estamos a falar de limpar a floresta como está o chão desta sala, o que não podemos é continuar a ter mato encostado às persianas das casas" , fez notar o dirigente florestal, defendendo " uma mão mais forte em relação a isto". "Não sei se é a multa na hora, o que eu sei é que a legislação hoje não é cumprida e as pessoas não são responsabilizadas", considerou, propondo, uma vez que ainda não existe um cadastro da propriedade para identificar os donos das terras, que sejam os proprietários a fazê-lo num espaço temporal mais ou menos alargado, tal como sucede com os prédios urbanos. Os deputados levantaram ainda a questão do dispositivo de prevenção, nomeadamente o papel das equipas de sapadores florestais não apenas na realização de trabalhos de silvicultura preventiva mas como força de primeira intervenção na época crítica de incêndios, ao que Vasco Campos não deixou de lamentar o desinvestimento verificado nos últimos anos nessas equipas. "Muitas delas estão numa degradação, que eu não vejo nas corporações de bombeiros" observou, pedindo um olhar mais atento para o trabalho destes "soldados" que, apesar de trabalharem todo o ano na floresta, estão a ser esquecidos e a prova disso, adiantou, é a diminuição dos apoios a estas equipas e a "completa ausência de formação" nos últimos anos.

Publicado a 4 de fevereiro de 2014


Sr. Proprietário Florestal

Limpe as suas Matas
Seja responsável
Não espere que o Obriguem

SE PRECISAR DE AJUDA
CONTACTE-NOS


Reconhecida e registada pela AFN – Autoridade Florestal Nacional, sob o n.º 080 / M, como OPF – Organização de Produtores Florestais de âmbito supramunicipal.

   Inquérito

[ Resultados | inquéritos ]

Votos: 60

 









ENTIDADES PARCEIRAS


 



Aceda aqui directamente à sua ZIF



Site gerido pela aplicação de gestão de conteúdos iNews

Não nos responsabilizamos por erros tipográficos. O conteúdo deste site poderá ser alterado sem aviso prévio