Defenda a sua casa dos    incêndios
   
   Mais informações


   Bolsa de Prédios    Rústicos
   
              (brevemente)


   Aceda aqui directamente
   à sua ZIF


   
   
   
   
   
Notícias:
Bullet3 Grupo de investigadores internacionais visitou povoamentos de pinheiro bravo infectados pela doença da murchidão no concelho de Tábua
  

A FNAPF - Federação Nacional das Associações de Proprietários Florestais acolheu esta quinta-feira, em Tábua, a visita de campo de cerca de 20 investigadores oriundos de vários países da União Europeia que estão a estudar formas de erradicar mais eficazmente a doença provocada pelo nemátode da madeira do pinheiro, responsável pela morte, nos últimos anos, de largos milhares de árvores. A desenvolver a investigação no âmbito projecto europeu REPHRAME, os especialistas, que escolheram Portugal e Espanha para o meeting final, visitaram alguns povoamentos florestais afectados pela Doença da Murchidão do Pinheiro que estão a ser intervencionados pela CAULE - Associação Florestal da Beira Serra, no concelho de Tábua. O grupo teve oportunidade de observar “in loco” os trabalhos que estão a ser executados, nomeadamente de prospecção, marcação e erradicação de árvores sintomáticas, destruição de sobrantes e colocação de armadilhas para captura do insecto vetor da doença, tendo concluído que a região da Beira Serra, concretamente a CAULE, está a fazer um “trabalho gigantesco” nesta área. Coordenador do projecto, o britânico Hugh Evans deu nota da pesquisa que tem estado a ser realizada no âmbito do REPHRAME cuja informação “ajuda no trabalho que está a acontecer aqui”. “Parece ser uma tarefa impossível passar por todas as árvores infectadas numa vasta área e pertencente a proprietários diferentes”, constatou ainda assim o investigador, confessando-se  “particularmente interessado” em estudar “os insectos que transportam o nemátodo de árvore para árvore”, e encontrar formas eficazes de o controlar. O projeto é parcialmente financiado pela União Europeia e está a decorrer há 3 anos e meio, contando com onze parceiros em oito países diferentes.

Também o Chairman da Confederação Europeia da Indústria de Madeira, CEI – Bois,  Marc Michielsen considerou este trabalho “muito importante” para um sector que emprega 2,5 milhões de pessoas em toda a Europa, num total de mais de 380 mil empresas.    

Com várias acções de controle e erradicação da doença a decorrer na região da Beira Serra, o presidente da CAULE, José Vasco Campos, salientou igualmente a importância do trabalho que possa ser desenvolvido em “laboratório”, uma vez que se trata de um problema que assume dimensões “muito graves” não só em Portugal, como em toda a Europa. “Tudo o que contribua para que a doença diminua é muito importante para nós produtores florestais”, afirmou Vasco Campos que fala em centenas de milhares de árvores intervencionadas pela CAULE – marcadas, cortadas e estilhaçados os seus resíduos - de forma a “conter esta doença, o que felizmente está a acontecer nesta região”, garante. Apesar de dar a situação como controlada na sua área de intervenção, o presidente daquela associação florestal entende que “todos estes estudos podem ser muito úteis para o nosso objectivo, que é termos um pinheiro bravo resistente ao nemátodo”, pelo que “nesse aspecto a investigação é fundamental”, considerou.     

Publicado a 3 de outubro de 2014


 Modo de impressão  Modo de impressão    


Sr. Proprietário Florestal
Limpe as suas Matas
Seja responsável
Não espere que o Obriguem

SE PRECISAR DE AJUDA
CONTACTE-NOS


Reconhecida e registada pela AFN – Autoridade Florestal Nacional, sob o n.º 080 / M, como OPF – Organização de Produtores Florestais de âmbito supramunicipal.

   Inquérito

[ Resultados | inquéritos ]

Votos: 61










ENTIDADES PARCEIRAS


 



Aceda aqui directamente à sua ZIF



Site gerido pela aplicação de gestão de conteúdos iNews

Não nos responsabilizamos por erros tipográficos. O conteúdo deste site poderá ser alterado sem aviso prévio